25/08/2020 às 10h21min - Atualizada em 25/08/2020 às 10h24min

Compostagem: como fazer uma composteira doméstica

Compostagem é o conjunto de técnicas aplicadas para estimular a decomposição de materiais orgânicos por organismos heterótrofos aeróbios, com a finalidade de obter, no menor tempo possível, um material estável, rico em substâncias húmicas e nutrientes minerais formando assim um solo humífero.

DINO
https://www.sitiopema.com.br/


A composteira doméstica, caseira ou residencial funciona basicamente por meio do método da compostagem com minhocas (totalmente higiênicas). Esse método, já utilizado há muitos anos pelos agricultores familiares, é indicado como uma solução para os resíduos urbanos, pois transforma o que seria lixo em um rico húmus e, além de reduzir o lixo que seria destinado a aterros e lixões, ainda diminui a emissão de gases do efeito estufa.

Benefícios da compostagem doméstica
Para se ter uma ideia, de acordo com dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), mais da metade da produção de lixo proveniente das casas brasileiras poderia ser evitada e transformada em adubo se todos fizessem compostagem doméstica. Seria possível economizar muito espaço nos aterros.

Redução da emissão de gases prejudiciais
Além de diminuir a quantidade de resíduos em aterros e lixões, reduzindo mais da metade da quantidade de lixo, a vantagem de fazer compostagem doméstica é que se evita a emissão de gases contribuintes para o desequilíbrio do efeito estufa.
https://www.sitiopema.com.br/compostagem-domestica/

Quando os resíduos vão parar em aterros sem tratamento nenhum, a decomposição acaba gerando gás metano (CH4), que é 25 vezes mais nocivo para o efeito estufa do que o gás carbônico (CO2). A compostagem, por outro lado, evita a emissão do CH4.

Como fazer compostagem doméstica
Nessas modalidades (convencional e humi), as duas primeiras caixas da composteira servem para deposição dos resíduos orgânicos. Com uma porção inicial de cerca de 200 minhocas, de acordo com a quantidade de alimento disponível e do espaço, as minhocas conseguem autorregular a população.

Na caixa do topo, o usuário deve adicionar os restos de comida, como cascas de legumes e frutas, evitando colocar alimentos com muita gordura, lácteos, espinhos de peixe, ossos, excesso de frutas cítricas (que em grande quantidade podem alterar o pH e acidificar o composto - ruim para as minhocas e para as plantas), carnes e frutos do mar.

A umidade é um aspecto dos mais importantes, uma vez que o composto muito úmido pode propiciar a formação e retenção de gases e/ou dificultar a mobilidade das minhocas. Equilibrar a matéria orgânica molhada (as sobras de comida) com matéria orgânica seca (serragem de madeira natural, folhas, etc.) torna o ambiente ideal para que a composteira residencial funcione e as minhocas entrem em ação. Depositados os resíduos, é necessário cobri-los com o material seco.

Recomenda-se, como em um passo a passo, que os resíduos sejam depositados sucessivamente em fileiras (preferencialmente picados) e, em seguida, em camadas, preservando-se sempre no lado oposto uma camada de composto pronto, húmus livre de resíduos que servirá para o que se chama de "cama". A "cama" é como um local de segurança, onde as minhocas se sentem confortáveis, devendo existir em ambas caixas digestoras. Elas migrarão por todas as caixas, subindo e descendo, sempre usando os furos.

Algumas minhocas podem ir para a caixa que recolhe o chorume, por isso é importante estar sempre atento para que elas não morram afogadas.

Para evitar que isso aconteça, se a composteira for do tipo convencional, além da supervisão, vale colocar um tijolo em um dos cantos da caixa, assim elas poderão utilizá-lo como escada para subir para a caixa superior. Se a composteira for o modelo humi, não é necessário colocar o tijolo para as minhocas, pois ela já vem com uma elevação de fabricação.

Depois que a primeira caixa da composteira doméstica encher, é preciso trocar de lugar com a caixa que está imediatamente abaixo, de modo que as minhocas possam trabalhar livremente enquanto a outra caixa recebe novos alimentos.

Para ampliação da capacidade do sistema, é necessário acrescentar caixas extras. É preciso proteger a composteira do sol, colocando-a na sombra, pois o aquecimento excessivo no processo de compostagem pode matar as minhocas.

Simultaneamente à produção de húmus, ocorre a produção do chorume, que escorre das duas primeiras caixas e fica armazenado na última - ela tem uma pequena torneira para facilitar a coleta. Esse chorume não é tóxico.

Trata-se de um líquido rico em nutrientes e sais minerais, que também serve como um adubo orgânico e pesticida. Basta diluí-lo em água, em uma proporção de uma parte de chorume para dez partes de água, se quiser utilizá-lo como fertilizante de solo; e na proporção de meio a meio se quiser utilizá-lo como pesticida natural para borrifar nas folhas. Mas é necessário lembrar de evitar borrifar o chorume durante o sol forte, pois pode queimar as plantas.

À medida que os alimentos são absorvidos no processo de compostagem doméstica, as minhocas migram para a caixa superior em busca de mais comida. Assim que o ciclo de produção estiver completo, o composto está pronto para ser utilizado em jardins, vasos e horta.

Uma caixa digestora cheia leva de 30 a 60 dias para que todo o alimento seja decomposto. Após esse período, é possível utilizar o húmus nas plantas e liberar a caixa para uma próxima rodada de compostagem. Não se deve esquecer de deixar sempre uma "cama" para as minhocas na caixa vazia, até porque a decomposição não é feita exclusivamente pelas minhocas, mas por toda uma microfauna associada a elas e cuja presença está garantida nessa "cama".



Website: https://www.sitiopema.com.br/
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você acredita que o eleitor está mais consciente para votar nestas eleições?

24.2%
74.2%
1.5%
Moeda Valor
Servidor Indisponível ...
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? Fale conosco pelo Whatsapp