24/04/2022 às 15h23min - Atualizada em 25/04/2022 às 00h00min

Escolas de samba mirins encerram desfiles deste carnaval no Rio

Doze escolas de samba mirins apresentam-se na tarde deste domingo na Marquês de Sapucaí, encerrando os desfiles do carnaval fora de época no no Rio de Janeiro.

Agência Brasil Geral
https://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2022-04/escolas-de-samba-mirins-encerram-desfiles-deste-carnaval-no-rio

As escolas de samba mirins encerram neste domingo (24) os desfiles do carnaval fora de época no Sambódromo do Rio de Janeiro, com portões abertos a partir das 15h e entrada franca nas arquibancadas. A abertura do evento está prevista para as 15h30, com a apresentação da Orquestra Popular Manoel Couto, formada por 73 músicos entre crianças e jovens, estudantes da rede pública de ensino, que tocará tradicionais sambas-enredo, clássicos da música popular brasileira, além do hino do Rio de Janeiro Cidade Maravilhosa.



Os espectadores poderão apreciar ainda o cortejo do carnaval mirim, integrado pelo Rei Momo, rainha, princesas e o casal de mestre-sala e porta-bandeira.



O assessor de imprensa da Associação das Escolas de Samba Mirins do Rio de Janeiro, Arleson Rezende, informou que, para entrar na Marquês de Sapucaí, é preciso apresentar comprovante de vacinação contra a covid-19. Segundo o diretor de Carnaval e Operações da associação, Alexandre Moraes, este é um momento aguardado há dois anos. “As crianças estão eufóricas, radiantes com a possibilidade de brincar o carnaval na Passarela do Samba com saúde e segurança.”



A primeira escola a desfilar é a Ainda Existem Crianças de Vila Kennedy, com o enredo Fazer Aniversário É Celebrar a Vida, e Hoje É o Meu Dia de Festa. A escola vem com 16 alas e 600 componentes, além de 120 ritmistas que fazem parte da bateria.



Corações Unidos do Ciep será a segunda agremiação a entrar no Sambódromo, cantando o enredo Vivendo e Aprendendo a Jogar, que narra a história dos jogos desde os primórdios da humanidade até as olimpíadas modernas. A comissão de frente da escola é formada por 12 integrantes que vão simular um jogo de xadrez.



Vida e esperança



A Império do Futuro vai contar A Peleja Curumim Contra o Monstro Jurupari. De autoria do carnavalesco Raphael Ladeira, o enredo destaca a importância da vida, da esperança e da fraternidade para vencer os “monstros” que surgem, a exemplo da pandemia do novo coronavírus. A escola tem como cores principais o verde, branco, ouro e prata.



Em seguida, aparece a Pimpolhos da Grande Rio, de Duque de Caxias, Baixada Fluminense, com o enredo Olha, Que Linda a Quitandinha de Erê”. Trinta baianas e 60 passistas vão ajudar a agremiação a contar aos espectadores como é a festa oferecida aos Erês, entidades que, na língua Iorubá, podem representar diversão e brincadeira, nos barracões de candomblé.



A quinta escola a pisar na Passarela do Samba é a Golfinhos do Rio de Janeiro. Ela traz o enredo A Golfinhos Invade o Nordeste. Fundada em 15 de novembro de 2020, a Golfinhos do Rio de Janeiro traz em sua bandeira as cores amarelo e azul e tem Ana Gabriela Teixeira de Carvalho como rainha da bateria.



As cores azul e branco da Herdeiros da Vila vêm em seguida, com o enredo Você Semba Lá… Que Eu Sambo Cá! O Canto Livre de Angola, de autoria de Rosa Magalhães e Alex Varela. O enredo fala da tradição e da resistência do povo angolano que foi trazido para o Brasil como escravo e aqui gerou uma mistura de identidades forte com os brasileiros.



Os Aprendizes do Acadêmicos do Salgueiro chegam à avenida logo depois, trazendo o enredo Rio de Lá pra Cá, de Roberto Szaniecki, que deixa o carioca contar sua própria história. “E o Salgueiro responde com uma mensagem de esperança, mesmo que tenha que se dar um jeitinho, daqueles bem cariocas”. Os compositores do samba-enredo são Celso Trindade, Demá Chagas, Bala, Arizão, Guaracy e Quinzinho. O samba Rio de Lá pra Cá, do Salgueiro, marcou época na avenida, em 1994.



Aniversário



Na sequência, vêm os Filhos da Águia da Portela, com o enredo É festa!, que comemora os 20 anos de fundação da agremiação, por meio dos desfiles já apresentados e que também, de forma lúdica, mostra a importância das celebrações culturais, religiosas, pela dança e por outras manifestações que existem de Norte a Sul do Brasil, com toda riqueza e colorido.



Infantes do Lins apresentará o enredo Nossos Valores em Contos e Fábulas, pelo qual a escola quer contar toda uma gama de desafios voltados às comunidades que abraçam a agremiação, sejam internas ou externas ao bairro em que está inserida, mostrando os benefícios trazidos por valores morais e éticos, para as crianças, os jovens e adolescentes, e ressaltando o surgimento das escolas mirins como recreativas e socioculturais e não como escolas de samba-empresas. Nas escolas mirins, o viés ´r cultural, afirmam os organizadores.



Marlene Povão, Bate o Lindo Coração desta Nova Geração é o enredo da Nova Geração da Estácio de Sá, que reverencia a sambista Marlene Povão, de 82 anos, que é comunicadora oficial e referência da Estácio, conhecida e reconhecida por toda a comunidade do Morro de São Carlos. Filha de Iansã e Xangô, adoradora das crianças da terra e do espaço, Marlene Povão é considerada figura marcante no samba.



Fundo de Quintal



A décima primeira escola mirim a desfilar é a Mangueira do Amanhã, com o enredo Obrigado do Fundo do Nosso Quintal. “A Mangueira do Amanhã embarca com repique de mão, banjo, pandeiro, tantã e violão na plataforma da Estação Primeira até o bairro de Olaria para celebrar os 45 anos do Fundo de Quintal! Nesta curta viagem entre os dois quintais onde não nasceram somente tamarineira e mangueira e, sim, os maiores nomes do samba, partido alto e pagode”, diz o autor do enredo, Bruno Faria. A viagem é feita com base nas melodias e letras que fazem parte dacultura nacional “e, principalmente, da história da música popular brasileira!“.



A Estrelinha da Mocidade traz como enredo A Festa do Divino, que é realizada sete semanas depois do Domingo de Páscoa, no dia de Pentecostes, para comemorar a descida do Espírito Santo sobre os 12 apóstolos. Essa tradicional festa do folclore brasileiro é uma mistura de manifestações religiosas e profanas, ou seja, sem caráter sagrado. O enredo narra a origem da Festa do Divino, em Portugal, no século 14, até os dias de hoje, lembrando as celebrações em todo o Brasil, com destaque para as do Maranhão, de Pirenópolis, em Goiás,.e Paraty, no Rio de Janeiro. O samba Festa do Divino foi interpretado pela Mocidade Independente de Padre Miguel, no carnaval de 1974.



Penúltima a desfilar na Marquês de Sapucaí, a Petizes da Penha traz o enredo Era Uma Vez… Mais Uma Vez… Outra Vez, de autoria de Dy Fernandes. A força da mata e o folclore popular serão cantados pela Petizes da Penha. Os 80 integrantes da bateria da escola vêm fantasiados de marujada, representando a Marujada de Parintins, no Pará, que é a banda oficial do Caprichoso, Boi-Bumbá que disputa o Festival Folclórico de Parintins, no Amazonas.



Encerrando os desfiles, vem a Miúda da Cabuçu, para contar A Influência Africana no Carnaval Carioca. De autoria de Paulo César Alves, o enredo fala das vestimentas de orixás, com suas cores exuberantes e dos paramentos que influenciaram na confecção de fantasias das baianas e de várias alas das escolas de samba. As comidas servidas em eventos do samba como a feijoada e o angu baiano, não foram esquecidas, além dos adereços africanos, entre os quais búzios, contas, colares e diversos outros materiais.




Fonte: https://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2022-04/escolas-de-samba-mirins-encerram-desfiles-deste-carnaval-no-rio
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Qual candidato você acredita que vencerá as eleições presidenciais de 2022?

2.0%
0%
0%
0%
2.0%
86.0%
0%
8.0%
2.0%
0%
0%
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? Fale conosco pelo Whatsapp