04/12/2020 às 14h28min - Atualizada em 09/12/2020 às 00h01min

Multiplicando vozes: a adesão das candidaturas coletivas

A nova ferramenta política busca mecanismos de inclusão da sociedade nos processos de decisão e o aumento do seu poder de influência e interferência dentro dos espaços políticos.

DINO
Bancada Feminista


A notícia escrita por Júlia Santiago, jovem comunicadora para a campanha #QueroMeVerNoPoder nas Eleições 2020, traz uma apuração sobre o perfil dos governantes do país e a origem do cenário político no Brasil.

Os partidos políticos pouco aceitam a diversidade e as "novas regras" dos jogos eleitorais. Mas a dinâmica da política é curiosa. Dentro disso,as candidaturas coletivas têm ganhado adesão de adeptos em eleições anteriores e volta a ser fortemente citado nas eleições municipais de 2020. A nova ferramenta política busca mecanismos de inclusão da sociedade nos processos de decisão e o aumento do seu poder de influência e interferência dentro dos espaços políticos. Para isso, os mandatos coletivos apostam na adesão e colaboração da sociedade civil com o poder público através da intervenção direta da população nas tomadas de decisões de um representante político durante seu mandato. Nas duas últimas eleições, houve um aumento no número de candidaturas coletivas para o Poder Legislativo. Enquanto nas eleições de 2012 e 2014 foram sete candidaturas na disputa, no pleito de 2016 e 2018 somaram 98, segundo levantamento da Rede de Ação Política pela Sustentabilidade (Raps). Nas eleições municipais deste ano foram pelo menos 34 candidaturas coletivas na disputa por vagas na Câmara Municipal.

Nessa perspectiva, Camilla Lima, 34 anos, lançou sua candidatura à Câmara Municipal junto com três mulheres na Bancada Feminista. Moradora do Capão Redondo, professora da rede municipal de Ensino e militante partidária, ela afirma que "ninguém melhor do que nós todos, que estamos na periferia, para pensarmos em políticas públicas para nós mesmos. Nossas vozes precisam ser ouvidas. A periferia é potência, e não carência".

Em junho, o coletivo realizou uma live de lançamento da candidatura à Câmara de Vereadores de São Paulo, na sua página do Facebook. Cada uma das cocandidatas representa uma grande área da periferia urbana, um seguimento e bandeiras de atuação do coletivo. "Confesso que ficamos chocadas! Foi incrível ver mulheres que estavam se reconhecendo e se sentindo representadas no nosso trabalho, e homens que querem somar nessa luta", conta Camilla. Vale destacar que a presença feminina na Câmara dos Vereadores chegou a um recorde histórico nas eleições de 2020. Foram 13 vereadoras eleitas (23% das cadeiras da Casa). Na legislatura anterior, eram 11. Entre elas está Erika Hilton, a primeira vereadora trans da capital paulista. Ela foi uma das dez mais bem votadas na cidade, que também elegeu com votação expressiva Thammy Miranda, um homem trans. "Sempre vou reforçar que as candidaturas precisam ter significado dentro dos espaços de poder para pensar melhor as políticas para a população", continua.

Em um mandato coletivo, estão reunidas diversas pessoas com conhecimento e experiência em áreas específicas, pertencentes a diferentes setores sociais e partidos políticos. A missão principal é assumir o compromisso de ser um canal direto de intervenção da sociedade no poder público, de forma a somarem suas capacidades em áreas particulares e contribuírem na cocriação de projetos e na gestão da governança, agregando ao mandato múltiplas perspectivas e diferentes saberes. Jussara Basso, Débora Amorim e Tuca, três mulheres do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) também lançaram uma candidatura coletiva buscando concorrer nas eleições de 2020. Com Débora à frente da ocupação Marielle Vive, na zona norte, Jussara na Vila Nova Palestina, na zona sul, e Tuca na ocupação Copa do Povo, na zona leste, o grupo é formado por mulheres negras, sem teto e da periferia de São Paulo que tem como objetivo levar à esfera pública municipal a luta que já reivindicam através do Movimento.

Jussara conta sobre o papel do movimento durante a campanha. "Entendemos que o formato de atuação de um mandato coletivo é construir coletivamente projetos que atendam à demanda que vem da população. Para isso ser implementado institucionalmente, é um pouco difícil", relata.

Mas também existem pontos negativos a serem pensados em um período tão decisivo. "Nosso maior desafio sempre será contra o ódio. Como estamos muito expostas, acaba rolando esse receio", conta Camila. Já para Jussara, a forma como a política se estrutura é o principal empecilho para candidaturas femininas e periféricas, "O maior desafio é não ser como filhos de políticos que fizeram da vida pública uma carreira. Sem falar que é um sistema fortemente personalista, individualista e excludente. Minhas motivações continuam sendo questionar esse sistema que tem como base de sua construção o machismo e o racismo estrutural".

A partir disso, é possível enxergar caminhos de poder nas periferias, amplificando o eco das realidades e demandas. O processo para ocupação desse poder tem trazido abordagens diferentes e cada vez mais potentes.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://87news.com.br/.

Audiência Pública para discutir o binário de Cocal do Sul: você é a favor ou contra?

57.4%
42.6%
Moeda Valor
Servidor Indisponível ...
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? Fale conosco pelo Whatsapp